quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

CLÍNICA DE PODOLOGIA ESPAÇO DOS PÉS




O  BLOG  ESPAÇO  DOS  PÉS


Nosso eminente objetivo aqui nesse site é o de divulgar a importância grande que nos dias contemporâneos vivenciamos todos os cuidados que precisamos ter com os nossos pés.

Não tão somente no fator estético, até  mesmo levado aos impulsos da vaidade, quer ela masculina ou feminina, como também direcionado aos meios preventivos para se evitar complicações, chegando às mais sérias patologias das doenças que podem atingir os pés.

Junto ao constante desenvolvimento tecnológico abrangendo todas as áreas, o campo da medicina, distribuído nas mais diversificadas especializações, vem a cada dia, melhorando os espaços da PODOLOGIA. Hoje os Podólogos têm muitos caminhos para os seus processos de capacitação, aperfeiçoamento e atualização. A anatomia humana está amplamente amparada de todos os recursos modernos, adequados... para atender os humanos. Os pés está incluído nos mais requintados tratos e prevenções. Clínicas muito bem equipadas para essa especialaização norteiam oportunidades para uma clientela que sabe e gosta de se cuidar. "Um corpo bem cuidado preserva uma boa saúde e bem estar".

Visando todo esse progresso e com a tentativa de proporcionar esclarecimentos, orientações, socorros, diagnósticos... é que nossa CLÍNICA DE PODOLOGIA ESPAÇO DOS PÉS vem oferecendo muito conforto aos seus cilentes/pacientes. Ela está localizada na Avenida Marcolino Mariano, 292, Jardim Salgueiro-Porto Ferreira-SP- Venha nos fazer uma visita e conhecer nossas modernas instalações.

Muito obrigada.


ANDREA LOUZADA
-Podóloga- 












ESTÁTISTICA DO NÚMERO DE VISITANTES

  CLÍNICA DE PODOLOGIA
PODÓLOGA
ANDREA  CRISTINA  LOUZADA


NÚMEROS   DE  VISITANTES   DO  BLOG





AGRADEÇO A SUA VISITA
VOLTE SEMPRE...




decoração para casa

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

AUTOCLAVE -ESTERILIZAÇÃO

CLÍNICA DE PODOLOGIA

ESPAÇO DOS PÉS

PODÓLOGA

ANDREA LOUZADA


AUTOCLAVE
ESTERILIZAÇÃO
DE
INSTRUMENTOS



Os pés são alvos de doenças como frieiras, micoses e ressecamentos. A melhor maneira de prevenir esses problemas é cuidando da sua higiene de forma correta. Assim como as mãos, são regiões mais secas e com a pele muito fina. As micoses, por exemplo, são desencadeadas por fatores como uso de instrumental profissional sem esterilização ou uso de banheiros coletivos sem proteção de calçados.

Os géis antissépticos hidratantes amenizam este problema, eliminando os germes e bactérias de uma maneira rápida, prática e eficiente. São produtos modernos, dermatologicamente testados, com qualidade superior, e que podem ser usados em qualquer situação.

CUIDADO COM OS PÉS NO VERÃO

                         

Com a chegada do calor, os pés e as mãos geralmente ficam expostos à água do mar e da piscina, ao sol, ao vento, à areia da praia. Para ambos, a regra fundamental durante o verão é jamais esquecer de também protegê-los com bloqueador solar. Se eles não estiverem bem cuidados, ficam mais suscetíveis à ocorrência de ressecamento, queimaduras, frieiras, micoses, calosidade em excesso. Quem tem esses problemas, deve consultar um podólogo ou especialista regularmente.  Os pés podem ser hidratados com cremes à base de uréia, ervas aromáticas ou tratamento com parafina. Para quem tem pele seca, é recomendado usar uma vez por semana cremes abrasivos com sílica. A pomada de vaselina salicilada 10% é o ideal para atenuar os calcanhares rachados. O método da parafina – que clareia, hidrata e regenera a pele do pé – deve pedir ajuda a um especialista. Após o uso de um gel esfoliante e uma loção tonificante, os pés são submetidos a um aparelho de alta freqüência que massageia e hidrata. Depois são imersos numa solução aquecida com parafina que esfria e vira uma máscara  Para remover um pouco da pele grossa formada pelos calos, o ideal é usar uma pedra-pome para esfregar os pés durante o banho. Após sair do banho, um creme calmante, contendo óleos essenciais como limão, alfazema ou hortelã-pimenta, deve ser aplicado no local. Outros cremes com vitamina E ou com óleo de alfazema podem ser utilizados como alternativa.   

                           DICAS

Uréia
Apresenta alto poder hidratante e higroscópico (grande capacidade de retenção de água).


Ácido SalicílicoApresenta efeito antiinflamatório e queratolítico. Auxilia na renovação da pele, amenizando o processo de hiperqueratinização celular. É utilizado para eliminar calosidades e peles ásperas.

CalêndulaApresenta ação antiinflamatória, emoliente, anti-séptica, calmante e cicatrizante. A absorção cutânea é rápida. Pode ser utilizada no tratamento de feridas e queimaduras. Auxilia na recuperação de infecções de pele e é igualmente potente contra infecções fúngicas e bacterianas. Estimula a regeneração dos tecidos. 

Sorbitol
É um excelente umectante para a pele. 
              
                                                      
(Fonte:Blog Spasso Felix -A Moda dos seus pés- Imagens:Google-)

HIDRATAÇÃO DOS PÉS E MÃOS COM PARAFINA

                                                                    
                   
***Cabe salientar que esses procedimentos são executados por profissionais da área e os produtos, em sua maioria, também são vendidos apenas ao profissionais habilitados. A parafina e produtos similares podem ser encontrados em alguns endereços no final da matéria (alguns podem ser solicitados pela Internet e são vendidos para profissionais ou não).***
                                                           
                                                               
Tratamento para Revitalização de Mãos e Pés
                                  
                                 
  1. Aplicar o Sabonete Mousse Esfoliante e promover a esfoliação das mãos e dos pés.
  2. Aplicar o Esfoliante Facial Lactobiônico na parte interna e dorso da mão, no peito e planta do pé. Deixar por 20 minutos. Remover com água.
  3. Aplicar Loção Hidratante de Aloe Vera nas mãos e nos pés.
  4. Promover massagem com Creme de Massagem Nutritivo e Revitalizante.
  5. Aquecer o Creme de Massagem com Parafina até ficar líquido. Aplicar com um pincel nas mãos e os pés. Ocluir (cubrir) com papel osmótico por 15 minutos.
  6. Remover completamente com toalha de papel absorvente.
  7. Aplicar Filtro Solar Hidratante FPS 21 nas mãos.
                                

(Fonte de Pesquisa: Blog Spasso Felix- A moda aos seus pés-)
         -Imagens:Google-

REMOÇÃO DE CALOSIDADES

                        

Muitas pessoas estão aflitos com calos e calosidades em seus pés e mãos. Milho e calos são espessas, duras camadas de pele que se desenvolvem em áreas onde a pele enfrenta uma série de fricção ou pressão, em um esforço para se proteger.
Essas coisas, muitas vezes assumem uma cor amarela e não são muito atraentes ao olhar, mas eles não são realmente um problema de saúde em muitos casos. No entanto, eles ainda podem ser removidas para melhorar a aparência.
A maneira mais fácil de remover calos e calosidades é deixar de aplicar a pressão ou atrito que está causando a pele para colocar sobre a proteção extra. Isso funciona para a maioria das pessoas, mas não é a exceção ocasional.
Mesmo que o milho ou o calo é removido de outra forma, ainda é importante para retirada da fonte de fricção ou pressão de outra forma, para que os calos não reconstruir. Doenças como a diabetes ou outros que causam má circulação nos pés pode tornar muito mais fácil para você desenvolver calos e calosidades.
Nestes casos, é melhor falar com um médico para a melhor solução disponível para você. Alguns indicadores de calos e calosidades inclui uma área de espessura ou ásperas da pele, um endurecido levantadas colisão, sensibilidade ou dor na sua pele, pele seca e escamosa e ceroso.
Apesar de milho e os calos são muitas vezes colocados juntos, eles não são a mesma coisa. Calos são geralmente menores em tamanho e têm um núcleo duro que é abarcado por pele irritada e inflamada.
Para a maioria, os calos se desenvolver em áreas que não suportam muito peso. Essas áreas podem ser os topos e laterais ou os dedos.
Entretanto, podem ocasionalmente crescer em áreas que suportam peso. Calos são dolorosos quando eles são empurrados, que muitas vezes acontece quando elas se desenvolvem entre os dedos.
Por outro lado, tendem a crescer calos nas solas dos pés, onde a maior parte do peso é centrado, como os saltos e as bolas. Calos também foram conhecidos para desenvolver nas mãos e nos joelhos.
Os calos geralmente só desenvolver uma camada protetora da pele e são relativamente indolores. Eles podem ser uma variedade de formas e tamanhos, mas geralmente são maiores que os calos.
Se o milho ou o calo é doloroso ou inflamada é importante consultar um médico. Isto é especialmente importante se você tem diabetes, má circulação, ou outro fator complicador.
Se você tiver uma dessas complicações, não se esqueça de chamar o seu médico antes de tentar auto-tratamento dos calos. Se o pé fica ferido, isso pode resultar em uma úlcera no pé que não cicatrizam muito rapidamente ou facilmente                  .
                                                     
Existem muitas causas potenciais de milho e desenvolvimento de calo. Uma das causas pode ser mal sapatos equipados.
Se os seus sapatos estão muito apertadas ou têm saltos muito altos, eles vão colocar pressão sobre diversas áreas do pé. Quando eles estão muito frouxas, seu pé irá deslizar e dar mais oportunidade para a fricção e irritação ocorrer.
A emenda desonestos ou ponto também pode ser motivo de irritação extra. Se os seus sapatos são o problema, livrar-se deles e compra de novos.
Outra causa potencial de calos e calosidades é que o hábito de não usar meias. Meias podem ajudar a diminuir a quantidade de atrito aplica-se ao pé de verdade.
Sem esta ajuda, é muito fácil para calos para se desenvolver. No entanto, meias que não se encaixam corretamente também pode causar fricção extra e calos ou calosidades.
Há também várias condições do pé que pode adicionar à probabilidade de desenvolver um milho ou calo. Por exemplo, joanetes, garra, e outras deformidades nos pés pode causar fricção constante dentro de um sapato.
Quando você visitar um médico, ele ou ela irá examinar seus pés e determinar a causa da pele espessa. Ele ou ela também pode querer realizar um raio-X para determinar que a causa da deformidade não é devido à estrutura física anormal do pé.
O médico pode prescrever um tratamento específico, mas usar corretamente montagem sapatos e meias, almofadas de proteção e outras coisas que podem ajudar a prevenir a remodelação do milho ou do calo.
Algumas coisas que o médico pode prescrever incluem limpeza, ácido salicílico, antibióticos, palmilhas, e em circunstâncias muito incomuns cirurgia.
Certifique-se de seguir o conselho do médico e tomar o cuidado adequado de seus pés. Eles são o seu principal meio de transporte e você não ter que enfrentar a dor diária devido a calos ou calosidades.
                        
                                                       
(Fonte:pubkicks.com)-Imagens:Google-

REMOÇÃO DE ESPÍCULA


CLINICA DE PODOLOGIA ESPAÇO DOS PÉS
PODÓLOGA ANDREA LOUZADA

PROCEDIMENTO
REMOÇÃO DE ESPÍCULA









CALO OU CALOSIDADE

                              

Na dermatologia, um calo é uma área dura de pele que se tornou grossa e rígida como uma resposta a repetidos contatos e pressões. Na botânica, o termo também é utilizado com uma condição de rigidez em superfícies de plantas ou folhas. Já que o contato repetido é necessário para a existência do calo, o local mais comum para ocorrência é nas mãos e pés. Os calos geralmente não são nocivos, mas podem ser a fonte de outros problemas, como a infecção. Sapatos apertados podem freqüentemente causar calos nos pés. Músicos que tocam instrumentos de cordas desenvolvem calos nos seus dedos devido ao contato com as cordas, mas estes calos são muito desejáveis pelos músicos, já que eles ajudam a aliviar a dor da tensão das cordas. O mesmo acontece com fisiculturistas, que desenvolvem calos nas palmas de suas mãos, aliviando a pressão contra elas dos halteres.
                                                                

 Tratamento                      

Os calos ou calosidades apresentam três formas clínicas distintas: helomas, tilomas e hiperqueratoses.

Dependendo das suas características e da forma como são tratados, podem ou não deixar alterações cutâneas visíveis e sintomáticas, mas de uma forma geral é possível eliminá-los de forma a que a pele adquira o seu aspecto e integridade normais.

É importante perceber que os calos surgem em zonas de maior pressão e/ou fricção e são um mecanismo natural de defesa da própria pele em resposta a estas alterações.

Desta forma só é possível tratar definitivamente um calo ou calosidade se for tratada a alteração que o origina, seja ela externa (calçado inadequado), ou interna, como uma alteração estrutural do pé (óssea).

Em qualquer uma das situações a intervenção de um podologista é necessária uma vez que, para além da eliminação do calo ou calosidade, pode prevenir o aparecimento da mesma através da confecção de ortóteses digitais (normalmente de silicone) e ortóteses plantares (vulgarmente denominadas de 'palmilhas'), que são os tratamentos mais indicados para evitar o reaparecimento destas patologias e tratá-las de forma definitiva.

Contudo, existem cremes queratolíticos e emolientes que ajudam a reequilibrar a pele. Podem ser usados em formas simples de calosidades ou como coadjuvantes de outros tratamentos em formas clínicas mais complexas.

É importante lembrar que só se elimina um calo ou calosidade, eliminando-se a causa (atrito, fricção) local, seja causada pela estrutura óssea ou por calçados inadequados.

                              


(Fonte:Wikipédia-A Enciclopédi Livre-Imagens Google-)

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

DICAS

                                                                                                          


1) Preciso usar o mesmo esmalte que estou nas mãos também nos pés? Essa combinação é obrigatória?
Não, a não sei que você queira! Usar o mesmo esmalte nas mãos e nos pés é questão de escolha e/ou praticidade. Não existe regra para isso e vai de cada uma optar por usar uma cor nas mãos e outra nos pés. Eu mesma já usei muito o mesmo esmalte que estava nas mãos nos pés por questão de não querer ousar nas cores, em épocas que realmente eu não era nada ousada hehehehe.  Agora que tenho várias opções de cores acho o máximo trocar o esmalte das mãos e também os dos pés.

2) Fico confusa  em qual cor escolher para os pés quando já estou com uma cor nas mãos, tenho medo de parecer brega e estar feia. Como faço a escolha do esmalte das mãos e dos pés?


Essa é a parte mais divertida! Existem várias possibilidades de você usar uma cor nos pés que não seja a mesma que está em suas unhas das mãos. Uma opção bacana e fácil de fazer é usar o “tom sobre tom”. Escolha um tom mais escuro para as mãos e um mais claro para os pés, ou vice-e-versa!  Para aquelas que ainda tem alguma restrição de usar esmalte escuro nos pés, opte pelos tons mais escuros nas mãos e aposte nos clarinhos nos pés.

3 – Preciso combinar o esmalte dos pés com o sapato?


                                   

Fonte:Unha Bonita-Blog-Daniele Honorato-
Não é obrigatório, mas é um atrativo a mais para os pezinhos de fora que calçam um sapato bonito e querem ser vistos. Uma sandália fica mais sofisticada e bonita se está acompanhada de pés bem feitos e pintados. O contraste também entra aqui e pode abusar das cores dos esmaltes com o material do sapato!
Olhem essas fotos de pés famosos que não esqueceram das unhas dos pés; não fica mais bonito?

BICHO DE PÉ


TUNGÍASE OU BICHO DE PÉ


A Tunga penetrans é a menor das pulgas conhecidas no mundo, com aproximadamente 1mm de comprimento. Sua larva se desenvolve em solos quentes, secos e arenosos de praias e zonas rurais. É endêmica na América do Sul e Central, no Caribe, na África sul-sahariana e oeste da Índia, sendo rara na Europa e América do Norte.Tanto os machos quanto as fêmeas se alimentam de sangue, de maneira intermitente, mas a infestação do parasita na epiderme de alguns mamíferos, entre eles o homem, se dá por fêmeas grávidas,onde irá nutrir seus ovos a partir de nutrientes contidos em seu sangue.
As lesões podem ocorrer em qualquer parte do corpo, preferencialmente nas regiões plantares periungueais e interdigitais.Podem ser únicas ou múltiplas e se caracterizam por pápulas ceratósicas com elevação central enegrecida, que corresponde à parte posterior da pulga.De acordo com estudos brasileiros realizados em Fortaleza e no Rio Grande do Sul, estima-se que 16% dos contaminados apresentem tungíase disseminada.

A história natural da tungíase desenvolve-se em cinco fases, de acordo com a classificação de Fortaleza. Na fase I ocorre a penetração da pulga na epiderme, provocando processo inflamatório local com dilatação dos vasos dérmicos. Na fase II, o parasita penetra a cabeça na derme e se alimenta nos vasos sangüíneos; a cauda fica na superfície, para respiração, eliminação de excretas e ovos. Na fase III há produção de ovos; o corpo atinge 7mm de comprimento; é possível então identificar, clinicamente, um halo amarelado abaixo de área hiperceratótica. A fase IV ocorre após a deposição dos ovos. A pulga morre, e sua carapaça é expelida. Por fim, na fase V, há reorganização da epiderme, em aproximadamente quatro semanas, restando pequenos resíduos que ficarão ali por meses. Os ovos liberados na fase III, em três ou quatro dias, tornam-se larvas, que se transformam em pupas. Após duas semanas, as pupas estão adultas e, ao encontrar outro hospedeiro, se multiplicam e completam o ciclo.Ovos, larvas e pupas podem permanecer no solo por semanas ou meses. Por isso, tratar o solo e estimular o uso de calçados em locais contaminados são medidas fundamentais para diminuir a incidência da doença e para sua profilaxia. O uso de repelentes também é útil para diminuir a infestação. 

O quadro é geralmente assintomático, mas quando há impetiginização das lesões podem ocorrer eritema, edema, dor, prurido, pústulas, supuração, úlceras e deformidades dos dedos. Alcoólatras, portadores de doenças mentais e moradores de comunidades subdesenvolvidas são mais predispostos a desenvolver quadros disseminados, com infecção bacteriana secundária.

                                                                           

Pesquisa:Blog Podóloga Rosana Ribeiro

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

PSORÍASE NOS PÉS

Porque é que os pés são particularmente vulneráveis à psoríase? 

 A pele grossa da planta dos pés protege as artérias, nervos e músculos. A planta dos pés tem que suportar o peso do corpo, que é distribuído entre os dedos e o calcanhar; a curvatura do pé fornece a força e flexibilidade necessárias. Quando a pele dos dedos e dos calcanhares está inflamada, produz uma espessa camada de pele morta, de fraca qualidade, o que origina pele gretada dolorosa. Estas fissuras facilitam a penetração das bactérias na pele o que provoca a disseminação da inflamação. O problema é exacerbado quando os doentes são altos ou têm excesso de peso, têm pé plano ou um trabalho que requer estar de pé durante longos períodos de tempo. As actividades como o jogging e a aeróbica também agravam a inflamação.
Quando as veias da perna estão inchadas, os vasos sanguíneos da almofada plantar também incham. Isto estica a pele e aumenta a probabilidade do aparecimento de psoríase neste local.

Quais as formas de psoríase que podem afectar os pés? 

 Diferentes tipos de psoríase afectam diferentes partes do pé. A psoríase pode envolver os dedos, a planta e o peito do pé.


Quais os sapatos adequados no caso de ter psoríase dos pés? 

O calçado deve ser leve e confortável. Os sapatos bicudos podem danificar a pele e os ossos, especialmente nas crianças. Prefira calçado de couro em vez dos que são feitos de materiais sintéticos, porque absorvem melhor a humidade.
Pode comprar palmilhas de espuma, cortiça ou de gel, que ajudam a aliviar a pressão na pele. Também pode usar palmilhas de polímeros que actuam como absorsores do choque e protegem a pele em cicatrização. Estas podem ser usadas com sapatilhas (ténis) de boa qualidade, que devem ser macias e feitas de material transpirável.
Evite peúgas, meias ou meias-calças (collants) de fibras sintéticas.
                                                                          

Independentemente do uso de medicação, como posso proteger os meus pés? 

Durante as exacerbações, deve demolhar os seus pés em água salgada durante 10 minutos, três vezes ao dia. Afaste os seus dedos para que todo o pé fique em contacto com a água. De seguida, seque minuciosamente os seus pés, dando particular atenção à área interdigital (entre os dedos). Durante o verão, recomenda-se a lavagem diária dos pés. Qualquer creme que seja prescrito deve ser aplicado com moderação, devendo-se limpar o excesso de creme que não foi absorvido pela pele ao fim de 10 minutos.
A pele dos calcanhares seca e greta com frequência. Se este for o caso, pode utilizar um saco de polietileno estanque ao ar durante algumas horas todas as noites para humidificar a pele e amaciar as fissuras. No Inverno, os pés devem ser mantidos quentes, particularmente se tem má circulação de sangue nas pernas e se os seus pés tendem a ficar frios.

                                                                   

As alergias têm um papel na psoríase dos pés? 

 A fivela metálica de um sapato pode desencadear uma reação alérgica, tal como a borracha ou os sais de crómio utilizados nos sapatos de couro. Os químicos presentes nos sapatos sintéticos também podem causar uma reacção. Precisa de descobrir que tipo de sapato é melhor tolerado pela sua pele durante os períodos de exacerbação.
O que devo fazer quando a pele começar a sarar? 

Quando a inflamação cede, a pele da planta dos pés pára de produzir escamas. A pele mantém-se vermelha, mas não está particularmente dura. Esta leva algum tempo a recuperar a sua elasticidade. Para protegê-la, deve certificar-se que a sua pele não está nem demasiado seca, nem demasiado húmida, um equilíbrio difícil de manter. 
Pontos chave 

  • Quando a psoríase afecta os seus pés é essencial uma boa higiene diária.
  • A pele gretada e dolorosa dos pés pode causar um grande desconforto. É preferível ser paciente e deixar a sua pele sarar sozinha entre as lavagens, para ter a certeza que não é criado um ciclo vicioso de inflamação e infecção.
                                                                                                                                                


Fonte de Pesquisa:Site APRENDA A VIVER COM PSORÍASE
Imagens:Google
  

A FORMAÇÃO DE UM PODÓLOGO

                                               

         Você determina até onde a sua carreira vai chegar. Essa é a característica mais atraente para os profissionais de Podologia e pode ser comprovada pela crescente expansão deste mercado no Brasil.

         O Curso Técnico de Podologia forma especialistas na prevenção e no tratamento de afecções nos pés. Essas afecções podem ser causadas pelo uso incorreto de calçados e cortadores de unhas, por consequência de doenças em outros órgãos (como o diabetes e algumas doenças do coração), em decorrência de acidentes ou pela contaminação dos membros inferiores por vírus ou fungos.
                                                                
       A natureza destas afecções exige um profissional preocupado em buscar constantemente os necessários conhecimentos teóricos, preparado para a prática diária e interessado nas novidades tecnológicas que possam ser empregadas em Podologia (instrumentos, equipamentos, órteses, fármacos).
                                                                       
     Ao ingressar nesta área o profissional pode trilhar diversos caminhos para sua inserção no mercado de trabalho. O podólogo está presente em institutos de beleza, hospitais (lado a lado com médicos e outros profissionais da saúde), clínicas para idosos, hotéis, spas, clubes esportivos atendendo atletas (é comum os jogadores de futebol serem impedidos de disputar jogos por causa de bolhas nos pés) ou pode atuar como autônomo.
                                                                   
    Dependendo do seu perfil pessoal, o podólogo pode trabalhar sozinho com seus clientes ou integrado a equipes multidisciplinares.

   Para aqueles que gostam tanto de aprender quanto de ensinar, há necessidade de professores qualificados para atuarem na formação de novos profissionais. Você também pode optar por abrir sua própria clínica ou aderir às redes de franquias especializadas em podologia que ganham força nas grandes cidades.
                             
                                                                                                       

Fonte de Pesquisa:IREI-Escola Técnica de Formação Profissional
Imagens de Ilustraação: Google

AS BOLHAS

                                 

     Para a dermatologista Denise Steiner, uma boa forma de prevenção é evitar usar sapatos novos por um período muito longo e amaciá-los com o uso gradual. Além disso, a dermatologista alerta para o uso de calçados muito apertados ou muito largos.

    Quem não conseguiu escapar das incômodas bolhas deve evitar ao máximo furá-las. "Assim você evitará o risco de infecção", declara a dermatologista Denise Steiner. "A bolha tende a secar em uma ou duas semanas. É recomendado romper a bolha somente em caso de dor e para isso é necessário utilizar uma agulha fina e esterelizada, fazer pequeno furo e drenar o líquido. Não se deve arrancar o 'teto' da bolha, que serve como proteção à pele", explica.

    A podóloga Gisele ainda acrescenta que as meias utilizadas também exercem papel muito importante na prevenção das bolhas. "É preciso verificar o perfeito ajuste nos pés. As meias devem ser de preferência sem costura ou com o mínimo possível", conta.

    Mantenha um curativo com vaselina e micropore até que ela seque. Pode-se utilizar pomada que ajuda a cicatrizar. Não é recomendado expor ao sol até a cicatrização completa, para que não apareçam manchas nos pés", enfatiza Denise.
                                                                 
    Segundo a podóloga Gisele Christina da Silva, as bolhas são o acúmulo de fluido entre as camadas interna e externa da pele. Elas surgem com o excesso de atrito, como no caso de calçados apertados ou ainda por queimaduras ocasionadas pelo frio, calor ou muito sol, doenças na pele, alergias e irritações na pele provocadas por agentes químicos.


   "Você deve estar atento para se certificar de que as bolhas nos pés não estejam relacionadas a outras doenças dermatológicas como herpes, disidrose e micose dos pés".

    A região afetada pode se encher de um líquido incolor ou se tornar avermelhada caso haja rompimento de algum vaso. Quem tem a pele mais fina, como no caso dos idosos, pode ter bolhas com mais freqüência, já que facilmente se perde a camada de gordura da pele.

    Os pacientes diabéticos devem examinar seus pés diariamente e evitar qualquer tipo de lesão por terem deficiência na cicatrização dos pés. Ao surgimento de bolhas ou qualquer outro tipo de lesão, o ideal é comunicar ao seu médico, podólogo ou a equipe de saúde de diabetes".
                                                      

Fonte:
Site Saúde Terra
Dermatologista:Denise Sternei
Podóloga:Gisele Cristina da Silva
Imagens de Ilustração: Google


PODOLOGIA

                            

       PODOLOGIA vem do grego arcaico: prefixo PODO= Pé (Pés) e sufixo LOGOS= Tratado.

       É a ciência que trata dos pés. PODÓLOGO é o profissional que aplica toda terapia nos pés com estudo téncnio e cinetífico adequado em Podologia.
       
       A profissão de Podólogo foi regulamentada como "atividade afins da madicina", pelo decreto lei de 1957.

       A Podologia como ciência ainda é nova, portanto muitos tabus, mitos, desinformações ainda são comuns.

        A Podologia é um ramo auxiliar da área da saúde cuja atuação concentra-se na  anatomia dos pés. Desenvolve conhecimento biomecânico do tornozelo e dos pés, a fim de compreender a marcha e os problemas que a dificultam, podendo dessa forma, implementar tratamento prescrito por profissionais da área médica.

         O Brasil já é possuidor de Podólogos graduados de nível superiror, podendo prosseguir seus estudos em pós graduação, mestrado e doutorado. O primeiro curso de graduação em nível superior brasileiro aconteceu no ano de 2008. Para graduar-se em Podologia, exige que o aluno passe em um processo seletivo e depois se matricule para estudar durante dois anos; 2.880 horas/aula, podendo ao fim do curso receber um diploma de Graduado em Podologia.
                                                                                                         
         As podopatias incluídas à Podologia: Bolhas, Bicho-do-pé, Psoríase, Calos, Correção de unha, Pé-de-atleta, Pé diabético, Pé infantil, Rachaduras, Unha cravada, Verrugas, Uso de Fressa, Alta frequência.
                                             
        Uma frase muito importante e reflexiva para os Podólogos vem do Podólogo Orlando Madella Jr.  Ele registra:

"A CONDIÇÃO FUNDAMENTAL PARA O SUCESSO NA ÁREA DE PODOLOGIA RESIDE NUM ÚNICO FATOR: AMAR A PODOLOGIA"            

 Fonte de Pesquisa e Imagens:Google